Portada del sitio > LITERATURA > Poesía > A fera
Grabar en formato PDF Imprimir este artículo Enviar este artículo a un amigo

A fera

Luciano Lima de Oliveira

Brasil



Amedrontaste a fera
Trazida da escuridão.
Amedrontaste nas trevas
A ignorância e o fio da questão.

Que afirmação sincera,
Mas de pouco invenção!
Amedrontaste a fera
Num dia de confusão.

Mas como era uma fera,
Já não me dava o perdão.
Já não me dava carinho,
Já não passava emoção.

Mas sendo fera bandida,
Ficou catita a restrição.
Ficou inibida na tinta,
No sangue da ressurreição.

E de catita a catita
Me abro em uma nova invenção.
Mas como eras bandida,
Não te prometo em quinhão.

A fera menina gazela,
No lago e sem imersão,
Abria as asas singelas
Que eram mãos de sansão.

Se hoje me perguntas da fera,
Da boa nova que nasce, quem são,
A fera responde das trevas:
“São barbas de camarão”.


Logo não lembres da fera
Que o tempo não é de perdão,
Mas busques sempre a fera
Que mora no teu coração.

Este artículo tiene © del autor.

455

Comentar este artículo

   © 2003- 2015 MUNDO CULTURAL HISPANO

 


Mundo Cultural Hispano es un medio plural, democrático y abierto. No comparte, forzosamente, las opiniones vertidas en los artículos publicados y/o reproducidos en este portal y no se hace responsable de las mismas ni de sus consecuencias.

Visitantes conectados: 16

Por motivos técnicos, reiniciamos el contador en 2011: 3313470 visitas desde el 16/01/2011, lo que representa una media de 762 / día | El día que registró el mayor número de visitas fue el 25/10/2011 con 5342 visitas.


SPIP | esqueleto | | Mapa del sitio | Seguir la vida del sitio RSS 2.0