Portada del sitio > LITERATURA > Ensayos > LEYENDO CLAROSCURO DE OSCAR PORTELA POR JOSÉ GERALDO NERES
Grabar en formato PDF Imprimir este artículo Enviar este artículo a un amigo

LEYENDO CLAROSCURO DE OSCAR PORTELA POR JOSÉ GERALDO NERES

Oscar Portela: El Duende, la Musa, el Ángel. José. G. Néres

Oscar Portela

Argentina



LEYENDO CLAROSCURO
DE OSCAR PORTELA

Por José Geraldo Neres

“O sangue baixava pelo morro e os anjos a procuravam, mas os cálices eram de vento e ao fim enchia os sapatos”.
Federico García LORCA

LEYENDO CLAROSCURO
DE OSCAR PORTELA

Por José Geraldo Neres

“O sangue baixava pelo morro e os anjos a procuravam, mas os cálices eram de vento e ao fim enchia os sapatos”.

Federico García LORCA

Toda a noite combati com um anjo - na sombra de um exército estéril - Poucas lágrimas, poucas palavras.

Nos olhos uma dança coral com secretos demonios, a fragilidade humana era um canto de sangue caindo fora do tempo.

As horas; entulhos do tempo rodeado de serpentes. Na caverna de uma música perdida - minha boca se encontrava com as notas cortadas de toda a poesia andaluza - Corpos de pele exaltada nos misterios que torturam o vento.

São olhos labios que presidem os espelhos, que vivem nas águas do silêncio.

Nas portas do pátio de sua alma - com golpes de ira - dançaremos com Cronos. A boca guiará seus passos; ao naufrágio. Boca de preces e bênçãos, e na minha cintura o fogo dos deuses exilados. ¡Oh senhor, e em mim só cresce o deserto à que me condenaste!

Sou o corpo do menino que desafía o sol e entra no escuro bosque com as ardidas naves do verbo proferido pelo desejo do outro que fui. Sou o vôo dos anjos sem palavras, e que ágora cantam a canção do esvaziamento.

Na pálida dança (o único vigía, a última testemunha do inferno) a mão a guiar esta sombra que a morte não presencia. As aves vão migrar noutro coração e as flores são as aves que agora me abandonam; são os crucifixos dos meus olhos. Passo de dança que não atinge o presente! Serei eu; um espectro? ¿Ou a grande voz do deserto que cresce? Toda a noite combati um anjo em meu cavalo branco.

¡Meu coração de menino matou o cavalo com o qual atravessava os sonhos! ¿Não era este meu lar?

José Geraldo Neres

P.-S.

Sou o corpo do menino que desafía o sol e entra no escuro bosque com as ardidas naves do verbo proferido pelo desejo do outro que fui. Sou o vôo dos anjos sem palavras, e que ágora cantam a canção do esvaziamento.

Ver en línea : www.corrientesaldia.com.ar

info portfolio

Portela junto a su amigo el poeta Alejandro Drewes

Este artículo tiene © del autor.

224

Comentar este artículo

   © 2003- 2015 MUNDO CULTURAL HISPANO

 


Mundo Cultural Hispano es un medio plural, democrático y abierto. No comparte, forzosamente, las opiniones vertidas en los artículos publicados y/o reproducidos en este portal y no se hace responsable de las mismas ni de sus consecuencias.

Visitantes conectados: 26

Por motivos técnicos, reiniciamos el contador en 2011: 3336325 visitas desde el 16/01/2011, lo que representa una media de 606 / día | El día que registró el mayor número de visitas fue el 25/10/2011 con 5342 visitas.


SPIP | esqueleto | | Mapa del sitio | Seguir la vida del sitio RSS 2.0