Portada del sitio

Simone Salles

 

Quando nasci, nenhum anjo me disse para "ser gauche" na vida. Nem me apareceu um "chato de um querubim" para comunicar-me, diligentemente, que eu estaria fadada a ser errada vida afora. É o que dá não ser Drummond ou Chico Buarque de Hollanda. Ser, apenas, uma mulher comum. Fato é que, até o ano de 2005, com 43 anos, nunca consegui viver em linha reta - nem mesmo sóbria de ilusões, sonhos, fantasias e pensamentos. Ninguém me alertou que trilharia estradas tortuosas, em alguns momentos quase marginais. Nem que esses (des)caminhos da vida seriam acidentados, com trechos de aclives íngremes e de declives sinuosos. Sem esquecer os desvios provocados por avalanches existenciais e as inevitáveis freadas emocionais de arrumação. Um perigoso só. Mas, como atesta a sabedoria do povo, a mulher que andou na linha, o trem matou. E eu estou aqui,vivinha da Silva. Aventurei-me assim pela existência: às cegas, tateando. Mais abusada e temerária que intrépida e corajosa. Por vezes, impulsionada pelo faro; outras pelo instinto, a maior parte do tempo pela emoção. Hoje, quando me perguntam quem sou, nem pisco para responder: mãe (de um lindíssimo casal de filhos: Laura, fez 10 anos em dezembro; Victor fará 8 em junho); solteira oficialmente e descasada oficiosamente; jornalista episódica; artesã por hobby e herança genética; escritora por compulsão e mulher - quando sobra tempo. E dou um jeito para que sobre. Afinal de contas, nem só de pão e obrigação vive uma mulher. Emoção e carne são imprescindíveis na vida de qualquer um.

Sim, sou jornalista há 22 anos. Avisei que a perfeição por mim passou lotada e não parou no ponto. Sorry. Porque, perdoem-me os mais românticos, ser jornalista nesse país, nos dias de hoje, é tão somente saber administrar - com as bênçãos dessa nossa sociedade hipócrita - um desvio de caráter: o interesse pela vida alheia. No popular, o gosto pela fofoca. Como em toda profissão há, ainda, os que dela fazem uma arte.

Nisso e disso sobrevivi, direta e indiretamente, dos 22 aos 38 anos. Até que no final de 2.000, recém-chegada de Brasília, após 14 anos de auto-exílio, abandonei de vez as redações. Digitei meu ponto final no terminal da Editoria de Política do jornal O Globo, onde trabalhava no fechamento da edição.

Sem alardes, despedidas ou brigas. Apenas coloquei a bolsa no ombro, desejei boa noite a todos e virei as costas a uma etapa da minha vida. Desde então, dedico-me exclusivamente à escrever. E ler. E escrever. Pois que escrever é bem mais que inspiração. É compulsão da alma. É necessidade do espírito. É imposição do Ser. E só os que padecem desse mal compreendem o quão imprescindível é transmutar em palavras o que nos vai por dentro. Fiz desse mal, que é bem, meu prazer, meu ofício, minha profissão de fé. E La vie en rose....

 

 

 


LOS 10 ARTÍCULOS MÁS LEÍDOS DE ESTE AUTOR


- Alta Ansiedade ou Maria do Bairro. (846 visitas)
- Ligeira autobiografia em linhas tortas (829 visitas)


TODOS LOS ARTÍCULOS DE ESTE AUTOR PUBLICADOS EN M.C.H.


Crónicas
- Alta Ansiedade ou Maria do Bairro. (846 visitas)
- Ligeira autobiografia em linhas tortas (829 visitas)

 


ENVIAR UN MENSAJE A ESTE AUTOR



Enviar un mensaje

   © 2003- 2015 Mundo Cultural Hispano

 


Mundo Cultural Hispano es un medio plural, democrático y abierto. No comparte, forzosamente, las opiniones vertidas en los artículos publicados y/o reproducidos en este portal y no se hace responsable de las mismas ni de sus consecuencias.

Visitantes conectados: 7

Por motivos técnicos, reiniciamos el contador en 2011: 3384114 visitas desde el 16/01/2011, lo que representa una media de 491 / día | El día que registró el mayor número de visitas fue el 25/10/2011 con 5342 visitas.


SPIP | esqueleto | | Mapa del sitio | Seguir la vida del sitio RSS 2.0